A SPONGE entende que a informação é fundamental para o processo de profissionalização das cooperativas de catadores. Por isso compartilhamos algumas informações fornecidas pelo Ipesa (Instituto de Projetos e Pesquisas Socioambientais):

 

150223 Publicação 3

 

A coleta dos resíduos recicláveis no Brasil tem como marca a baixa participação de empresas privadas, a presença maciça de trabalhadores informais e uma participação pouco significativa dos poderes públicos em programas de coleta seletiva.
A estruturação de cooperativas busca romper algumas das amarras existentes no circuito de separação e comercialização de resíduos, com intuito de melhorar as condições de vida e de trabalho dos catadores
A diferença essencial para a cooperativa está na natureza dos dois processos. Enquanto as associações tem por finalidade a promoção de assistência social, educacional, cultural, a representação política e a defesa de interesses de classe, as cooperativas tem finalidade essencialmente econômica, com o objetivo de viabilizar o negócio produtivo de seus cooperados junto ao mercado.
A compreensão dessa diferença é o que determina a melhor adequação de um ou outro modelo. A associação tem uma grande desvantagem em relação à cooperativa, ao engessar o capital e o patrimônio. Em compensação, apresenta algumas vantagens para grupos que querem se organizar, mesmo para comercializar seus produtos: o gerenciamento é mais simples e o custo de registro é menor, assim como é menor o número de associados necessários para a formalização do empreendimento.
Os catadores possuem muitos conhecimentos específicos e habilidades para identificar, coletar, separar e vender resíduos recicláveis; “garimpam” no lixo o desperdício de recursos naturais, que retornam ao processo produtivo como matéria-prima secundária.
Por sua história e capacidade de articulação, eles se fizeram presentes no debate sobre a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que os aponta como parceiros preferenciais na gestão desses resíduos, e conquistaram seu reconhecimento como categoria profissional, oficializado na Classificação Brasileira de Ocupações – CBO.
Quer aprender mais? Você pode acessar o material do Ipesa na íntegra pelo link abaixo.
Se você conhece alguma cooperativa de catadores, oriente-a para que se cadastre na Sponge. Assim criaremos uma rede de sustentabilidade que promoverá ainda mais o trabalho desses Agentes Ambientais que são fundamentais para o processo de gestão de resíduos dos Munícipios.

 

Fonte: Do lixo à Cidadania: Guia para a formação de cooperativas de Catadores de Materiais Recicláveis.